h2o.eco.br

h2o.eco.br

Sanepar enfrenta a pandemia

Sanepar mantém estações de tratamento na capacidade máxima para garantir água para população
ETA Iguaçu

Todas as 168 estações de tratamento de água da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) continuam produzindo em sua capacidade máxima a fim de garantir esse serviço essencial para a população, mesmo em tempos de coronavírus, segundo informou à empresa a este portal.

Para atender a essa demanda, Sanepar solicitou a todas as empresas terceirizadas que apresentem Plano de Contingência para garantir a segurança sanitária de seus empregados e que comuniquem à estatal se surgirem casos de terceirizados com sintomas ou afastados por conta da pandemia.

Terceiro lugar no setor de água e saneamento, no ranking de 2019, realizado pelo jornal Valor Econômico, a Sanepar é dona de 55 mil km de rede de água e de 37 mil km de rede coletora de esgoto, que atende atualmente com água tratada 100% da população urbana de 345 municípios do Paraná e de Porto União, em Santa Catarina. A empresa coleta 74,2  e trata 100% do esgoto doméstico em comparação  à média nacional de 42%, segundo dados do Sistema Nacional do Saneamento (SNIS).


Para os empregados que continuam trabalhando nas estações de tratamento e nos serviços de campo (manutenção de redes), em projetos e obras,  a empresa reforçou as medidas de limpeza e segurança sanitária, com a oferta de álcool em gel em todas as salas e banheiros. E determinou que a proximidade física entre os empregados siga os protocolos de saúde.


A Sanepar liberou veículos para o deslocamento para o trabalho dos operadores de ETEs e ETAs para que estes não se exponham ao transporte público.  Nas ETEs já existe uma série de procedimentos de saúde sanitária que continuam sendo adotados e reforçados.


Sobre o eventual crescimento de inadimplência como efeito do coronavírus,   a empresa ainda está avaliando as medidas a serem adotadas a fim de atenuar essa possibilidade. Em 2019, esse índice foi de 1,7%.


Para 2020 estão previstos investimentos de R$ 594,3 milhões em sistemas de água (obras e manutenções) e R$ 624,4 milhões em sistemas de esgoto (obras e manutenções). 

Milton Wells, com assessoria de imprensa da Sanepar.